Investir na qualidade do café se torna primordial quando se objetiva alcançar safras mais rentáveis. 

Esta é uma característica que deve ser acompanhada no pré e pós-colheita: desde as primeiras etapas até o manejo de pós-colheita, pois dessa forma é possível incrementar significativamente os preços do produto durante o processo de negociação.

Neste artigo vamos falar sobre como investir no solo pode melhorar a rentabilidade da sua lavoura de café. Boa leitura!

Leia também: Manejo do solo: entenda a importância de preparar a terra para o cultivo

Fatores que impactam na qualidade do café

Fatores como altitude, clima, tipo de solo, cultivares, pragas, doenças e práticas agronômicas conseguem ter impacto significativo sobre a qualidade do café. 

Dentre estes, também está inserido o fator nutrição mineral da planta. São os nutrientes que interferem diretamente nos processos fisiológicos e metabólicos das plantas, atuando desde a taxa fotossintética até a tolerância contra patógenos.

Ainda que possam ser encontradas sugestões de adubações bem estabelecidas e estudadas em diversos manuais de recomendação para o café, observa-se comumente manifestações de deficiências e desbalanços nutricionais nas lavouras que acarretam diretamente na diminuição de sua qualidade. 

Um exemplo disso são as plantas com deficiência de potássio (K) que apresentam até mesmo maior susceptibilidade ao ataque de pragas e doenças. Já o balanço deste elemento na nutrição da planta ocasiona até mesmo melhores peneiras e classificação dos grãos produzidos.

Além disso, é possível citar a importante participação do cálcio (Ca) e do boro (B) na composição da parede celular, conferindo estruturação à planta e integridade da membrana plasmática.

Por consequência, a deficiência desses nutrientes pode causar baixa resistência fitopatológica, reduzindo assim a qualidade dos frutos e diminuição do pegamento floral, tornando a lavoura de café menos produtiva.

Nutrição correta para lavoura de café

Um importante ponto para ser discutido na cultura do cafeeiro é a relação Ca: Mg: K – uma vez que o seu desequilíbrio desfavorece o suprimento adequado de um destes elementos. 

O magnésio (Mg) e o potássio (K) são fundamentais para a translocação de fotoassimilados, sendo esta função a principal responsável por conferir o maior acúmulo de açúcares nos grãos.

Tradicionalmente, ao se falar da adubação de uma lavoura de café, trata-se mais fortemente dos macronutrientes. 

No entanto, os micronutrientes desempenham função indispensável ao metabolismo secundário da planta, entre eles a própria produção de cafeína. 

Adicionalmente, ressaltamos as ações do cobre (Cu), manganês (Mn) e zinco (Zn) nas ativações enzimáticas, dentre elas a tão famosa enzima polifenoloxidase, atrelada a melhoria da bebida do café. 

Como a Mosaic pode te ajudar?

E para apoiar ainda mais os produtores de café, a Mosaic apresenta sua parceria junto a Flowins

A iniciativa tem a missão de garantir acesso para os cafeicultores ao Gerente Flowins,  realizando análises físicas e sensoriais das características de seu próprio café. 

O foco são produtores que buscam construir qualidade no seu processo produtivo desde o preparo do solo até a colheita e que usam produtos de Perfomance (MicroEssentials, K-Mag, Aspire) ou Performa (Neo, Plus, Ultra, Full e HF).

Falando também como um produtor, sempre sofri com a falta de oportunidade de conhecer o que produzia e não tinha um ambiente de gestão preciso para que minha propriedade fosse uma empresa lucrativa. Com base nessa dor, a Flowins foi criada. Com os pilares de trazer conhecimento técnico ao produtor, e como consequência vender melhor o próprio produto, atrelado com a descoberta da qualidade, fornecemos um gerenciador para registrar o manejo ano após ano”, conta Iago Junqueira, CEO & Founder da Flowins.

Contudo, ainda que com o aparato da evolução da adubação da cultura, estratégias como o “Manejo 4C” visam intensificar a produção de forma economicamente viável:

1 – Local Certo: onde os nutrientes são necessários e capazes de serem absorvidos;
2 – Na Hora Certa: disponibilização os nutrientes de acordo com a demanda da cultura;
3 – A Dose Certa: onde ajusta-se a quantidade de fertilizante com a necessidade da cultura;
4 – A Fonte Certa: que busca por fontes adequadas à necessidade da cultura.

E quando falamos de qualidade para obtenção de maior lucratividade no cafeeiro, temos que pensar em tecnologia e insumos de ponta. 

Por isso, a linha de produtos de Performance da Mosaic Fertilizantes, formada pelo MicroEssentials, K-Mag e Aspire é a melhor opção para seu café. 

O MicroEssentials fornece fósforo com alta solubilidade e eficiência, além de conter duas formas de enxofre (elementar e sulfato) para fornecimento durante todo o ciclo da cultura. 

No K-Mag encontramos o fornecimento de magnésio altamente solúvel e baixa concentração de cloro, características importantes para aumentar a produção de açúcares na planta e a qualidade final da colheita. 

Já no Aspire, estaremos disponibilizando às plantas duas fontes de boro durante todo o ciclo, via solo para a melhor absorção pelas raízes e para garantir a formação das estruturas florais e enchimento de grãos.

A cafeicultura capaz de trazer maior rentabilidade é aquela que é vista por uma ótica de manejo inovador e sustentável. E para isso, é necessário a gestão bem-feita das etapas necessárias para entregá-lo ao seu destino final. 

As escolhas certas, respaldadas pelas justificativas que se encaixem no contexto global do produtor, serão decisivas na obtenção de uma qualidade de destaque para a bebida como uma identidade marcante ao consumidor.

Conheça nossos produtos!

Loading...