Blog Nutrição de Safras

Por que o clima é tão importante para o Milho Safrinha?

Aposto que você já falou sobre o tempo com alguém hoje, independente do que está plantado aí na sua fazenda, da região que você está e até da época do ano e para não perdermos o costume, vamos falar aqui sobre o clima no milho safrinha.

Você sabia, que o principal fator que influencia o sucesso da lavoura é a radiação solar? Bom, aqui no Brasil o que não falta é sol! Ou seja, o clima para nós é então responsável por 50% do sucesso da produtividade da lavoura, segundo alguns pesquisadores. E os outros 50%? Eles ficam então, divididos entre solo, planta e manejo, por isso a preocupação com o famoso “será que chove?!” é tão importante, mesmo sabendo que o nosso controle sobre o clima seja zero!

No entanto, é possível sim, obtermos informação localizada, como previsões, tendências climáticas, radares meteorológicos, entre outros fatores e com isso, podemos tomar decisões mais assertivas na hora de corrigir o solo, entrar com maquinário, realizar as aplicações e tantas outras operações que acontecem todo o dia no campo.

Por causa do atraso das chuvas, o plantio de soja na safra 2019/2020 foi tardio em muitos estados brasileiros e esse cenário diminuiu a janela de plantio do milho safrinha em várias regiões. Isso pode causar a diminuição do total de áreas plantadas até o final de fevereiro, em comparação com o mesmo período do ano passado.

É importante entendermos os riscos do plantio tardio do milho e os impactos que as variáveis climáticas podem apresentar, com destaque para  a temperatura, umidade e chuva, sendo estes fatores críticos para qualquer cultura.

O milho é cultivado em regiões onde a chuva varia entre 300 e 5.000mm anuais. Algumas fontes apontam que a produtividade máxima ocorre quando o consumo de água durante todo o ciclo está entre 500 e 800mm, lembrando que a cultura exige um mínimo de 350 a 500mm para que produza sem a necessidade de irrigação. 

Você sabia, que dois dias de estresse hídrico (falta de água) no florescimento do milho podem diminuir o rendimento em mais de 20%? No entanto, se a continuar faltando água até oito dias, a produção pode diminuir mais de 50%. Fique atento às previsões da sua região.

Momentos críticos no desenvolvimento do milho

A falta de água é crítica em três estádios de desenvolvimento: 

a) início da floração, quando formam-se as flores que darão origem aos grãos;

b) período de polinização, nesta fase a presença da água é importante para evitar a desidratação do grão de pólen e garantir que a flor seja fecundada; 

c) enchimento de grãos, o estresse hídrico nesse momento resulta em uma menor produção de carboidratos, que reduz o volume de matéria seca nos grãos.

Em seu estudo sobre a produção do milho, Fancelli & Dourado Neto (2000) citam que, para temperaturas:

a) inferiores a 10ºC e superiores a 40ºC: pode reduzir a % de germinação;

b) entre 25ºC e 30ºC: valor ideal;

c) acima de 26ºC: aceleram a floração;

d) abaixo de 15,5ºC: retardam a floração;

e) acima de 21ºC (nos 60 dias após a semeadura): cada grau pode acelerar o florescimento (adiantamento máximo de três dias).

O clima pode ser um aliado ou um vilão para o produtor. Conhecer as variações do tempo e como elas afetam a lavoura é essencial para que as escolhas de híbridos e manejo sejam adequadas. E com o milho, não é diferente, o clima tem enorme impacto na produção desse grão que é um gigante para a economia nacional.

Por isso, acompanhe as previsões do tempo para a sua região, escolha um bom híbrido, acerte na população de plantas e claro, invista num fertilizante de qualidade, garantindo nutrição adequada durante todo o ciclo milho safrinha. Um bom plantio traz uma boa colheita. Boa safra produtor!

Cilas Andrade

Literatura citada:

BERGAMASCHI, H., DALMAGO, G. A., BERGONCI, J. I., BIANCHI, C. A. M., MÜLLER, A. G., COMIRAN, F., & HECKLER, B. M. M. Distribuição hídrica no período crítico do milho e produção de grãos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 9, p. 831-839, 2004.

FANCELLI, A. L.; DOURADO NETO, D. Produção de milho. Guaíba: Agropecuária, 2000. 360p

Luiz Marcelo Aguiar Sans, Derli Prudente Santana, CULTIVO DO MILHO Clima e Solo 2002

Paulo César Magalhães, Frederico O. M. Durães, Circular Técnica embrapa, Fisiologia  da Produção de Milho, Dez 2006.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar