Solo: conheça os tipos e as principais técnicas de conservação

6 maio, 2024
Déborah Fernandes
- Tempo de Leitura: 5 minutos

Muitas vezes, tendemos a negligenciar o solo, um recurso com múltiplas características, esquecendo sua importância fundamental tanto na questão agronômica quanto na sustentabilidade ambiental.

Este artigo explora qual a real importância, o manejo adequado do solo, particularidades e função. Aprenda como aumentar sua qualidade e produtividade.

Importância do solo

Agronomicamente, o solo é a base da produção, fornecendo suporte físico para as plantas, armazenando e regulando o fluxo de água e nutrientes, facilitando o crescimento vegetal.

Já do ponto de vista ambiental, o solo é um componente essencial dos ecossistemas terrestres, suportando a biodiversidade e participando ativamente nos ciclos biogeoquímicos, como o do carbono e do nitrogênio.

Ele atua como um filtro natural, purificando a água ao remover toxinas e poluentes antes que estes atinjam corpos d’água.  De acordo com um estudo de Andreoli, de 2004, caso os solos não tivessem características e propriedades filtrantes, a qualidade da água que consumimos estaria seriamente comprometida.

Além disso, o solo, juntamente com a biomassa, tem um papel fundamental na regulação do clima, pois seu conteúdo de carbono orgânico ajuda a mitigar a emissão de gases de efeito estufa.

A estrutura física do solo é um aspecto crucial que influencia todas essas funções. Ela é formada pelo arranjo das partículas do solo e matéria orgânica, criando espaços porosos que permitem a circulação de ar e água. Esta estrutura afeta diretamente a capacidade do solo de suportar plantas, armazenar água e nutrir a vida microbiana.

Solos bem estruturados conseguem suportar a biodiversidade e oferecem maior resistência à erosão e à compactação, mantendo a saúde do ecossistema e a eficiência da produção agrícola.

Qual a composição do solo?

O solo, conforme definido pela Embrapa em 2009, é um recurso natural e complexo. Uma coleção de corpos naturais, tridimensionais e dinâmicos, compostos por partes sólidas, líquidas e gasosas. Formados por materiais minerais e orgânicos, cobrindo a maioria do manto superficial das extensões continentais do nosso planeta.

Os componentes sólidos do solo são principalmente minerais derivados da decomposição das rochas, além de matéria orgânica proveniente de restos de plantas e animais. Esta combinação enriquece o solo com nutrientes e sustenta uma comunidade biologicamente rica.

A água, como componente líquido, ocupa os espaços entre as partículas sólidas e é responsável pela dissolução e transporte de nutrientes, desempenhando papel-chave nos processos biológicos e químicos do solo.

O ar é o componente gasoso que preenche os poros restantes, proporcionando os gases necessários para a respiração das raízes das plantas e dos microorganismos.

A interação entre esses componentes sólidos, líquidos e gasosos determina a estrutura e funcionalidade do solo dentro de um ecossistema. Essa dinâmica complexa influencia diretamente a capacidade do solo de suportar os pontos anteriormente discutidos.

Gráfico de composição do solo: 4% matéria orgânica, 46% elementos minerais, 25% água e 25% ar.

Quais tipos de solos existem no Brasil?

O estudo de Andreoli, de 2004, ainda afirma que o solo é formado pela decomposição de rochas por meio de processos físicos, químicos e biológicos, conhecidos como intemperização. Esses processos conjuntos pulverizam as rochas em partículas menores, levando à formação de diferentes tipos de solo com variadas granulometrias.

O perfil do solo normalmente se divide em dois principais horizontes: o horizonte A, na superfície, mais rico em matéria orgânica e mais afetado pela intemperização, e o horizonte B, mais profundo, formado pelo acúmulo de minerais lixiviados do horizonte A.

No Brasil, a Embrapa, em parceria com instituições de ensino e pesquisa, desenvolveu o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos, que divide os solos em 13 ordens principais, incluindo Argissolos, Latossolos, entre outros.

A seguir falaremos um pouco das características de alguns destes tipos de solos, o qual a classificação ajuda a entender a distribuição e as especificidades dos diferentes tipos em todo o território nacional.

Argissolos

Os Argissolos são um tipo de solo que possui um horizonte B textural marcado pela acumulação de argila. Esses solos têm uma particularidade: a argila presente pode ter baixa atividade química ou, mesmo quando tem alta atividade, está associada a uma baixa saturação de bases ou a características alíticas, que indicam a presença de alumínio em formas específicas.

Esses solos são resultados de um processo chamado ferralitização, que não ocorre completamente, e está associado à formação de caulinita (um tipo de argila) e óxidos de ferro, ou à presença de hidróxidos de alumínio entre as camadas de solo. Isso acontece devido ao movimento de argila da superfície para camadas mais profundas, conforme sugere a Embrapa em 2009.

Os Argissolos são benéficos para a agricultura devido à sua habilidade de reter água e nutrientes, especialmente em áreas com chuvas irregulares, ajudando a sustentar as plantas em períodos de seca. Contudo, exigem um manejo cuidadoso para evitar problemas como compactação do solo e dificuldades na penetração das raízes, devido à densidade do horizonte argiloso.

Este tipo de solo está presente em quase todas as regiões do Brasil, adaptando-se a uma variedade de condições climáticas e de relevo. Eles cobrem cerca de 24% da superfície do país, sendo os segundos mais extensos, depois dos Latossolos, segundo dados da Embrapa, em 2024.

Latossolos

Este grupo de solos é caracterizado pelo horizonte B latossólico, que se forma após um processo chamado latolização. Esse processo é uma decomposição muito intensa dos minerais originais do solo, resultante na formação de uma grande quantidade de óxidos de ferro e alumínio e alguns minerais de argila muito resistentes.

Importante destacar que, nesse tipo de solo, a argila não se desloca muito de um lugar para outro e não há grandes mudanças na composição entre as camadas mais superficiais e as mais profundas. O pH do solo deste tipo, fica normalmente entre 4,0 e 5,5.

Segundo o site da Embrapa, eles são extremamente comuns no Brasil, representando cerca de 39% da área total do país e estão distribuídos por quase todo o território nacional.

A importância desses solos para a agricultura é significativa, pois eles geralmente possuem boa capacidade de retenção de água e nutrientes, características essenciais para o cultivo. Além disso, a vasta extensão desses solos pelo país permite uma ampla diversidade de culturas agrícolas, contribuindo grandemente para a economia agrícola do Brasil.

Estratégias eficientes para a melhoria e conservação do solo

A melhoria e conservação do solo são essenciais para a produtividade agrícola e a sustentabilidade ambiental, afinal a qualidade do solo é um aspecto finito, e se não bem manejado pode se perder.

Rotação de culturas é uma técnica eficaz que ajuda a manter o equilíbrio dos nutrientes, reduz a incidência de doenças e pragas e melhora a estrutura do solo. Já o plantio direto protege o solo contra a erosão ao minimizar a perturbação e manter uma cobertura vegetal permanente.

Em relação à conservação, não há segredos, é necessário fazer o controle de erosão que pode ser alcançado via técnicas como terraceamento e plantio em contorno. Estratégias de manejo de água, como sistemas de irrigação eficientes e o uso de mulching, para algumas culturas, ajudam a conservar água e reduzir o estresse hídrico.

Para elevar a produtividade do solo, é importante realizar análises regulares, que permitam ajustes precisos no manejo nutricional. A aeração do solo é também essencial e, em alguns casos, pode ser facilitada por práticas como escarificação e subsolagem, que descompactam o solo e melhoram a infiltração de água e o desenvolvimento das raízes. 

A adoção de tecnologias modernas, como sensores de solo e agricultura de precisão, maximiza a eficiência das práticas agrícolas.

Implementando estas estratégias de maneira eficaz, é possível melhorar a saúde do solo significativamente, garantindo uma agricultura mais produtiva e ecologicamente sustentável.

Mas é claro, as características dos diferentes tipos de solo devem ser sempre consideradas.

O futuro da agricultura e a saúde do solo

A saúde do solo é a espinha dorsal da produtividade agrícola e desempenha um papel fundamental na sustentabilidade ambiental. O manejo eficiente do solo é crucial para equilibrar a dinâmica entre a produção agrícola e a conservação dos ecossistemas.

Ao aprimorar continuamente as práticas de manejo do solo, podemos não apenas aumentar a produtividade agrícola, mas também contribuir para um meio ambiente mais saudável e resiliente. 

Para explorar mais sobre como melhorar a fertilidade do seu solo com as práticas mais inovadoras, conheça MicroEssentials e descubra soluções que podem transformar oseu solo. Juntos construiremos um futuro mais verde e produtivo.

Este artigo foi útil? Avalie

Média: 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhuma avaliação até o momento! Seja o primeiro a avaliar este post.

Loading...